Pai_dos_Povos

Quarta-feira, 5 de Outubro de 2005

Alma e estomago

Todo o país tem um prato típico, ou até mais, que são a sua bandeira. Representam o próprio país, são a essência, a própria alma do povo. Os italianos têm a pizza. Os espanhóis a paella. Os ingleses o fish n' chips, e os franceses o fillet mignon. Na Hungria, claro, o gulash. E por aí em diante, até ao pato à Pequim na China e o sushi no Japão. Aqui para os nossos lados, como é óbvio, também temos os nossos pratos típicos: a boa da dobrada à moda do Porto, a açorda de marisco, a caldeirada de borrego, o nosso cozido, é claro, e como não podia deixar de ser, o bacalhau, depois de seco e salgado, demolhado e dessalgado, consumido de todas as formas e feitios. Desde o famoso bolinho, ao à Brás, à Gomes de Sá, com natas, punheta do dito (do bacalhau, não do Gomes de Sá ou mesmo do Brás), cozido com todos, mais uma série de deliciosas receitas cujo nome não conheço, e milhares que nunca sequer provei. São estes os pratos, meus amigos, e devem concordar comigo, que fazem parte da nossa cultura e essência como povo. Que comemos porque os nossos avós já comiam, e os avós deles antes disso, e que estão firmes e hirtos na cultura do nosso país como o castelo de São Jorge com a bandeira nacional sempre erguida. Esta é uma fatia de portuguesidade imutável, que temos em nós, em oposição aos McDonalds que nos invadem.


 


Bem... E tudo isto é mentira. O povo napolitano – porque a pizza é napolitana, e não simplesmente italiana – aqui há 100 anos não comia pizza todos os dias, que toda a gente sabe que povo não tinha carninha e queijinho e azeitonas assim para desperdiçar. Talvez para o dia de anos do homem da casa, e já era um pau. E se um napolitano de século 19 visse uma pizza daquelas da telepizza com 3 tipos de carne e salame, mais extra queijo, mais pãezinhos de alho de oferta, caía para o lado. É facto conhecido que o mais comum, no sul da Itália, era uma pessoa do povo fazer o manjar de um pedaço de pão e um ramo de funcho, ou de aipo. Quanto aos nossos irmãos castelhanos terem como prato típico a paella, essa delícia originária da Catalunha, carregada de marisco, e do mais caro, contem-me histórias. Não era raro, não só em Espanha, mas em todo o sul da Europa, fazer refeição com algum pão e um alho francês. E além disso, quem nunca comeu uma tapa numa tasca de aspecto duvidoso em Ayamonte, que atire o primeiro calamar frito. O fillet mignon deve ser muito típico, os lavradores pobres do sul de França deviam comer bife com pimenta todos os dias, e duas vezes ao Domingo. Mas qualquer pessoa sabe que há cem anos, na Provença, o pequeno-almoço era pão molhado esfregado em alho mais azeite, e tava a festa feita. E sabemos que o pequeno-almoço, naqueles tempos, era a única refeição até ao jantar, que em França era sempre um caldinho de qualquer coisa ou outra. E igualmente, para os lados da Hungria, muita gente tinha que se contentar com um pãozinho e um pimento, manjar ainda hoje muito popular na região, que carne para gulash não era para toda a gente todos os dias.


 


Mas não pensem os meus caros leitores que o vosso amigo pataphisico_azul vos lança daqui um manifesto contra a nossa querida feijoada à transmontana, com doze tipos de carne fumada, ou qualquer outro prato "típico". Apenas vos digo que se um transmontano do povo nos anos '50 tivesse mais do que meia linguiça ao jantar, perguntava à aldeia toda qual é que era o feriado. E para mais, ainda ninguém me explicou em que é que a dita feijoada à transmontana faz parte da cultura de um alentejano, ou de um algarvio. Mas porque raio é que, nesse caso, a feijoada dessa linda região que é Trás-os-Montes (prato que, acrescente-se, quem nunca provou não sabe o que perde...), é considerada como sendo parte da alma do povo português? Então qual é o prato que é a alma do nosso povo? O que é que, era consumido pelos verdadeiros portugueses de há 50, 100 anos? A verdade, meus camaradas leitores, a boa verdade, é que este vosso pataphisico não sabe. Posso perguntar a muita gente, mas as respostas que vou ter vão ser variados exageros de como a sua infância foi terrivelmente difícil e de como nós jovens de hoje em dia temos tudo ao estalar dos dedos. Mas, meus bons amigos, se pensarmos no assunto dois segundos, afinal nós somos o que comia El-Rei D. João IV, o Suplente, ou aquilo que comemos hoje em dia? Sim, a alma do nosso povo será um prato esquecido (muito provavelmente porque não era grande coisa, ou não tinha sido esquecido) do tempo do mapa cor-de-rosa? Penso que a resposta é clara.


 


Então qual é essa iguaria que faz parte do dia-a-dia de qualquer português, do Algarve ao Minho, e até em Lisboa? Que encontramos em qualquer tasco rasca, quanto mais popular melhor? Que é apreciado nas maiores cidades e nas mais pequenas aldeias do país, e que também nunca falta nos snack-bar à beira da estrada, para os nossos camionistas e outros condutores não terem saudades de casa? Obviamente que de entre vós todos os que são verdadeiros portugueses, daqueles que cospem para o chão e deixam crescer a unhaca, já sabem do que estou a falar e estão agora a dizer «Foda-se, caralho, tava a ver que não!». Outros, aqueles que apenas cospem de noite no escuro quando ninguém está a ver, e sonham em como seria ter uma unhaca (também bons portugueses, mas tímidos...), já desconfiam, mas são tímidos para dizer. Os terceiros, que nem cuspir, nem unhaca, e mijar só na natureza, e de preferência no escuro, mas que se dizem grandes portugueses (porque só vestem camisas de fabrico português, só bebem vinho português, vão aos jogos da selecção, e penduraram uma bandeira nacional durante o Euro na janela, e ainda não tiraram...), acham que devo estar a falar de bife com batata frita e ovo a cavalo, ou então hamburger no pão. Mas de facto, e como vós, os verdadeiros portugueses sabeis, aquilo de que vos falo está tão entranhado na cultura portuguesa (ao contrário do que servimos aos turistas nos restaurantes caros) que até lhe podíamos arranjar um cantinho na bandeira.


Falo-vos, é claro, da sandes de coirato e da mini.


 


E foi a rubrica de culinária do pataphisico_azul por hoje. Para a semana, falaremos da secular receita russa, котлеты (kotleti), e da razão pela qual é conhecida no ocidente por Hamburger. Teriam os soldados russos na Grande Guerra assim tanta fome? Continue connosco e descubra...

publicado por товарищ V. E. às 02:04
link do Manifesto | Debater | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|
6 comentários:
De pataphisico_azul a 13 de Outubro de 2005 às 07:21
Oh geist, o Blog Anti Blog passa a informar-te que a bandeira nacional (que ainda nao retiraste da janela) nao tem uma suástica no meio.
De Acolito a 9 de Outubro de 2005 às 04:10
Oh. E eu a pensar que eram as lasanhas do Marco Bellini...
Mas os gelados Águia ninguém nos tira!
De Geist a 8 de Outubro de 2005 às 02:27
Para ser sincero, ei pensei que ram as belas das favas.

É bom, assim podemos ver a variadada da nossa gastronomia.
De pataphisico_azul a 7 de Outubro de 2005 às 04:42
Eu cá cheira-me que tu unhaca só mesmo postica e com muitos brilhantes... enquanto ouves a tua coleccao de LPs de Barbara Streisand, ou ensaias o teu playback de "I will survive"...
De JesusRocks a 6 de Outubro de 2005 às 09:09
Estava a apostar na açorda (de qualquer coisa acessível) e no copo de tinto, mas enganei-me redondamente.
De Esquila. a 5 de Outubro de 2005 às 10:32
dantes acreditava-se que beber vinho dava força pra trabalhar... e os homens e mulheres que iam trabalhar prós campos comiam pão embebido em vinho de manhã. basta recuarmos cerca de 50 anos e bebia-se oleo de figado de bacalhau[diga-se de passagem que ainda há quem beba] prás crianças crescerem[não deu grande resultado]. agora são é litrosas yeeeeeeeeeeeeey spaghetty yeeeeeeeeeey. [prgunta prá revista maria: não gosto de feijoada... serei eu menos portuguesa que os outros?:| ajudem-me]

Argumentar

товарищи

Lenin

Manifestos recentes

Abençoados

10 de Junho

Year Zero

Descoberta fantástica!

Fruta

A luta continua!

Após uma tragédia no meu ...

O Natal

Eu

Aquecimento global

God-Zilla

Materialismo dialéctico

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Julho 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Carlos

pesquisar

 
Marxismo

Ligações obscuras

eXTReMe Tracker

subscrever feeds