Pai_dos_Povos

Segunda-feira, 16 de Fevereiro de 2004

Cinema Erudito

Depois de ter assistido a um ciclo de cinema escandinavo com predominante incidencia em realizadores Noruegueses sediados em Throndeim e noutras pequenas localidades no norte da Noruega...interessante ciclo de uma semana que abordava os mais diversificados temas..desde a migraçao do alce de pelo curto pra sul nas aridas estepes da sibéria até á antropofagismo mediático que fez colidir os antofagastas neonazis que emigraram da suécia até á noruega depois da guerra fria. resolvi deslocar-me até um daqueles cinemas q há por aí ..em longas superficies comerciais...um cinema daqueles onde se vendem pipocas.. e ainda a agua suja do capitalismo entre outras guloseimas que pouco ou nada interessam para a setima arte, o ecran...enorme...mais q gigante nao ajudava ao visionamento da pelicula e o som ensurdecedor em stereo surround incomodou-me fortemente os timpanos. Da próxima vez – que espero não seja tão cedo – tenho de me lembrar que para ir a um cinema de um grande grupo capitalista tenho de levar daqueles tampões para os ouvidos que os arrumadores de aviões usam. Até dá para ouvir o realizador a dar ordens. Mas isso é outra conversa.
O filme – americano – meus caros, chamava-se big fish. É de um realizador de culto-mainstream. Uma daqueles que só uns poucos sabichões conhecem mas que por acaso tem sempre filmes comerciais. Mas uns amigos insistiram e lá fui eu. Até não começava mal, com um achig㠖 peixe adorável que vive em muitas barragens e albufeiras desse Portugal – enorme a ser – mal – pescado. Mal porquê? Porque os achigãs se pescam do meio para a margem e não da margem para o meio. Eles vivem nas margens, nos mais recônditos locais, perto de ramos e árvores submersas e não no meio do rio. Como é que eles – mesmo usando toda a espécie de amostras – queriam apanhar o peixe? Além disso, é do conhecimento geral que o achigã não morde, não abocanha a presa – suga-a como se fosse um aspirador. Posto este péssimo começo, coloquei em causa todo o filme – e com razão!
Onde está o realismo – que o filme não tem. É um sonho o filme? Bem, seguindo a grande escola lituana de cinema, vemos que o sonho é uma forma de transgressão à norma, que marca a divisão entre o eu-posso e o eu-quero.
Gostava também de falar sobre o patagónio zulu que à minha frente dizia que este filme era um filme para minorias, que nem todos o compreendiam. O minha grande zebra. Todos compreendem o filme, cada qual à sua maneira, pseudo-inteléctualóide de 5ª categoria. Vai mas é ao cine-clube ver ciclos de cinema dedicados aos tuaregues, aos alces de pelo curto, aos sexo oral entre os nativos eunucos das ilhas tanimbar. Ou então, mete o dedo no cú e cheira. Eu só vejo filmes desta índole: educativos, para pensar, cultos, eruditos, chatos e com um papel de luta social, pois despertam consciências. Isto para quem não adormece no filme! E mais!! Os pequenos e eruditos cine-clubes não têm pipocas nem coca-cola – têm snappy e torresmo –e os espectadores têm muito mais respeito pelo cineasta, pela equipa que fez o filme, pois o filme não acaba no fim: o filme acaba após ter acabado o genérico, com os agradecimentos e tudo o mais. Quem realmente gosta de cinema vê as letrinhas até ao fim, não sai logo mal vê as três letrinhas F-I-M, como se estivesse com pressa para cagar.
Temos de enaltecer os realizadores nórdicos – todos menos o Lars Von Trier, yuck, comercialeco zuevo – os bielorussos, os estónios, os letões, todos esses países de grandes tradições cinematográficas underground, que cada vez mais nos surpreendem com verdadeiras obras-primas, como pude constatar neste ciclo – então o filme sobre a migração dos alces, Uh-la-la, maravilha das maravilhas. Tenho informações que dentro em breve será dedicado um ciclo a jovens realizadores de países tão díspares como a Mauritânia, a nova caledónia e cuba (no Alentejo)- este último convidado para argumentista da próxima super-produção da tvi, uma novela protagonizada pela sofia alves. As temáticas das suas obras têm em comum o facto de serem indecifráveis e pouco divulgadas entre o grande público. O filme do jovem realizador mauritano, mohammed abu abbar, é de uma simplicidade tremenda, e mesmo assim, imensamente poético: uma história imaginária, onde a polónia invadia e ocupava a Mauritânia, cujos habitantes se regugiavam em são Tomé e príncipe, causando o afundamento das ilhas devido ao peso excessivo – não pela sua gordura, pois são todos raquíticos, mas porque transportariam consigo toda a areia dos desertos do seu país natal – pelo que também pagaram multas nos aeroportos devido a excederem os 20 kgs de carga. Após saberem disto, os seus irmãos marcianos, declaram guerra aos croatas e obrigam-nos a abandonar a Mauritânia, que sem areia, é colonizada por pigmeus. Uma obra prima cujo visionamento vos aconselho vivamente - sobretudo se gostarem de auto-flagelação, de serem mordidos por mosquitos, abelha, sanguessugas e cães raivosos, bem como de manoel de oliveira e pelos seus filmes! A quem gosta de ouvir delfins, norah jones e joe dassin, aconselho 2 alternativas: atirem-se da boca do inferno ou então para debaixo de um camião tir no ic19. não usem facas pois causa muita sujidade. na boca do inferno o mar leva e na estrada, olha, mais um gato morto!!
publicado por товарищ V. E. às 07:52
link do Manifesto | Debater | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|
6 comentários:
De fairy_morgaine a 18 de Fevereiro de 2004 às 08:33
cais em tentações de ser igual aos que criticas quando te queixas dos cinemas dos grandes grupos hehehe
mais uma contradição.mas gosto.gosto de complexidades.
De image a 17 de Fevereiro de 2004 às 23:51
Para começar o dia é engraçado, faz-me rir. Criticas os pseudo intelectuais, mas pareces um! eheheh
De encandescente a 17 de Fevereiro de 2004 às 01:34
Sei que detestas intelectuais e essa porra toda mas gosto do que escreves pá!! Tens qualquer coisinha( e não, não me refiro a isso podes levantar os olhos para o monitor) Vou pôr uns links no meu "belogue" e gostava de pôr lá o teu, isto claro no caso de não te importares que um "belogue" como o teu seja mencionado num tão mas tão intelectual como o meu.Não o farei sem concordares
De encandescente a 16 de Fevereiro de 2004 às 22:55
Retribuindo a visita, deixaste aquele ditado venho colocar-te uma questão quanto a ele:
Quem tem barba tem bigode, quem tem picha tb fode. Acolito isso não é optimismo a mais? Todos os barbudos são potentes? Então pq é que cada vez mais há homens, e olha que já nem digo sem barba, mas sem pêlos? E porquê o "também"? Gosto dos teus textos
De Acolito Espirita a 16 de Fevereiro de 2004 às 18:56
O Freud tá morto, acho que agora não sabe nada. e um intelectual de esquerda é um pseudo-intelectual. olha para o louça.
De chuvinha a 16 de Fevereiro de 2004 às 18:09
voltaste :) bem vindo. ainda não sei se preferes intlectualoide ou intlectual de esquerda.
é desperdício pq até tens qq coisa entre as orelhas :) n sei bem pq teimas em armar-te aos tordos. o freud lá saberá pq.

Argumentar

товарищи

Lenin

Manifestos recentes

Abençoados

10 de Junho

Year Zero

Descoberta fantástica!

Fruta

A luta continua!

Após uma tragédia no meu ...

O Natal

Eu

Aquecimento global

God-Zilla

Materialismo dialéctico

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Julho 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Carlos

pesquisar

 
Marxismo

Ligações obscuras

eXTReMe Tracker

subscrever feeds