Pai_dos_Povos

Quinta-feira, 27 de Julho de 2006

Critíca literária

E aqui está ela: a posta que faltava. Depois desta, até nos podemos retirar e mandar fechar o Blógue Anti Blógue. Podem, é claro, tirar o equídio de pequenas dimensões da chuva, que não vão ter essa sorte.
Sim, hoje vamos falarmos daquele livro que é falado por toda a gente. A bíblia dos intelectuais de esquerda, de direita, e mesmo de alguns de centro (se é que isso existe). Não, não vos falo do Código do Leonardo da Vinci, do Senhor dos Anéis, e nem sequer do Harry Potter. Não, refiro-me aquela obra prima criada pelo filósofo do século XX, herdeiro de Nietzsche (apesar de, devido ao atraso tecnológico da engenharia genética da altura, isso nunca tenha sido provado). Falo d‘A Náusea, do Sartre. Referido por todos como um um livro guia, citado por muitos, lido por quase ninguém, A Náusea é considerado o livro que mudou o século XX.
Eu devo confessar que me submeti ao sacrifício de A ler. Cheguei à conclusão de que é um livro pequeno com muitas palavras que não dizem grande coisa. O Jean Paul chega a umas conclusões filosóficas relativamente importantes, como por exemplo, „estou vivo“, „quando deixar de estar vivo morro“, „quando morrer deixo de estar vivo“, e também „antes de estar vivo, ainda não tinha nascido“. Depois sente-se mal e vomita, certamente efeitos das drogas que tomou para chegar a estas fascinantes conclusões. Basicamente, toda a filosofia postulada pelo grande mestre no livro, pode ser resumida na frase da grande filósofa existencialista portuguesa, Lili Caneças: „Estar vivo é o contrário de estar morto, darling“.
É um facto conhecido que inicialmente, Sartre não queria escrever um livro, mas manter um blógue. No entanto a sua amante e o seu editor pressionaram-no, insistindo que a tecnologia só seria desenvolvida daí a uns anos. O próprio filósofo o confessou a este pataphisico, 30 anos depois aquando das revoluções estudantis do Maio de 1968 - eu só passei por lá porque me constou que andava a rodar uma boa erva, mas era tanga… só a partir da imigração em massa de magrebinos se começou a encontrar em Paris haxixe e erva decente. Dizia eu que falei sobre esse assunto – o livro, não a erva, porque ele só metia ácidos – com o filósofo em pessoa. Disse-me ele que „Na altura queria fazer um blógue, comprenez?, e até estava disposto a esperar uns anitos até aparecerem os blógues no free.fr. Queria fazer um blógue chamado „Abrupte“, e escrever lá todos os dias, era muito mais intelectual. Mas depois lá me convenceram a publicar tudo em livre. Também teve sucesso, principalmente entre aqueles enfants que andam lá fora a voltar carros. Mas não é a mesma coisa. E os suecos não me tinham querido dar aquela medalha, que maçada que foi. Mas voilá, agora já está.“
E olha, pá – assim acontece…
publicado por товарищ V. E. às 22:54
link do Manifesto | Debater | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|
Terça-feira, 25 de Julho de 2006

Tempo de antena

O espaço que se segue é da exclusiva responsabilidade dos intervenientes.


A A.A.V.O.C.C. (Associação de Assassinos, Violadores, e Outros Criminosos Condenados) declara por este meio que tem em sua posse um G.N.R. (e não, não é o Rui Reininho), dois P.S.P.s, e um puto que ia a sair da inspecção para a tropa. Mais declaramos que exigimos que sejam soltados pela entidade que gere os estabelecimentos prisionais portugueses 1763 assassinos com pelo menos 5 anos de pena efectiva para cumprir cada um e com um total mínimo de 11460 anos, 245 violadores com 3 anos mínimos cada com um total mínimo de 930 anos, 52 membros de organizaçőes neo-nazis, 17 alcoólicos apanhados a guiar, e o Bibi. Caso as nossas exigências não sejam cumpridas, executaremos os reféns, não sem antes termos satisfeito com eles as nossas necessidades corporais.


Sendo o nosso prazo o de 48 horas a partir da publicaçăo deste, poderá no entanto este prazo ser alargado através da transferência de avultadas quantidades de dinheiro para a nossa posse.

publicado por товарищ V. E. às 00:59
link do Manifesto | Debater | Assistir ao debate (1) | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|
Domingo, 23 de Julho de 2006

Tratado crítico sobre teoria fiscal

Como saberão já os nossos muitos (cerca de 3) leitores habituais, o nosso blógue caracteriza-se por ter várias rubricas aleatórias. Uma delas, é a nossa rubrica de economia, seguida ávidamente pela elite dos nossos (e dos deles, também…) governantes, políticos (porque é diferente) e economistas (incluindo o João César das Neves e o Samuelson). Hoje vamo-nos debruçar sobre teoria fiscal (i.e., impostos). Como todos sabem, aqui no blógue somos Marxistas-Leninistas, com inclinação para o Estalinismo. Por isso, os caros leitores podem deixar já de pensar que vamos defender uma descida dos impostos. Era o que mais queriam. E, aliás, para prometer esse tipo de coisas já existem os políticos em campanha (o que agora, com eleiçőes de 6 em 6 meses, passaram a estar constantemente). Mas também não somos gajos maldosos, e por isso vamos propor um novo tipo de imposto, que vai promover o bem estar da população em geral. E, sendo um imposto sobre empresas e não (directamente) sobre indivíduos, é muito mais Marxista e muito mais popular. Mas antes de me debruçar directamente sobre o assunto, farei uma análise da situação.


Olhemos para a nossa sociedade: mergulhada num consumismo desenfreado, cada família compra tudo o que precisa e mais uma infinidade de produtos que não precisa. Isso, obviamente, não tem mal nenhum. Cada um faz com o seu dinheiro o que bem lhe apetece – sempre é melhor do que meter debaixo do colchão até as notas perderem validade. Um aspecto interessante desse consumismo é o consumo de brinquedos: cada criança da classe média tem tantos brinquedos que houve casos relatados (mas não confirmados) de crianças que se perderam no quarto no meio dos brinquedos e não foram encontradas pelos pais durante uma semana. Ora, também nisto não há, em princípio, nada de mal. Há até brinquedos bastante educativos, como os GI-Joes, a Barbie Monsanto/Ken Eduardo VII ou aqueles insectos alienígenas da Lego. Temos no entanto que ter em conta que há um tempo e um lugar para tudo. E certos brinquedos (bem, todos, mas alguns em particular…) não devem ser utilizados em público. Refiro-me a brinquedos que diminuem grandemente o bem estar público através de poluição, nomeadamente poluição sonora. Quem nunca se confrontou com uma dessas criaturas gnomiformes com uma daquelas pistolas compradas na feira, que fazem barulho electronico e piscam, a disparar em todas as direcçőes? Ou com uma boneca que além de se mijar por todos os lados, além de outras coisas que não quero imaginar, berra como um porco na matança? Só o puto que costuma andar de triciclo no pátio debaixo da minha janela dá-me vontade de deixar cair o monitor do computador. Noutros casos, quase que pego numa peça de mobília. Em dias em que estou de mau humor, imagino que tenho à disposiçăo uma carabina de calibre considerável, ou mesmo um róquete Qassam. Mas, caros leitores, como resolver este grave problema que afecta a não só a saúde dos pais, mas também a saúde pública em geral?


A solução que salta à vista é a legalização do assassínio selectivo de menores. Ou, no mínimo, cortar-lhes as mãozinhas. Mas, como esta solução ganhará certamente pouco apoio público, e também porque, do ponto de vista Estalinista, sem mãos tornar-se-ão maus proletários quando crescerem, poderemos analizar a questão pelo ponto de vista dos brinquedos. Não, não proponho que se cortem as măos aos brinquedos. Isso é o que eles fazem todos os dias e duas vezes ao Domingo (vide, Barbie Carmelita/Ken Padre Jesuíta). Proponho antes uma solução economicista, sem violência alguma. Devemos antes de tudo, ver quem é responsável por esta situação. As crianças? Dificilmente, pois as crianças aceitam qualquer coisa como brinquedo. Os nossos bisavós, por exemplo, brincavam apenas com pequenos dinossauros esculpidos de dentes de mamute caçados pelos nossos trisavós. Culpados serão os pais, que compram todo o tipo de merdas aos seus rebentos, sem olhar a preço ou a, mais grave, consequências. Outra solução, voltando atrás, parece ser cortar as mãos aos pais, não só castigando-os pelo seu comportamento, mas também impedindo-os de utilizar a carteira. Mas isto, além de todas as desvantagens anteriores, impedirá também os ditos de pregar estalos nos putos quando estiverem fartos. Seremos então, como prometemos, benignos. A solução parece ser então, ir directamente à raiz do problema: os fabricantes de brinquedos. Deixando mais uma vez de lado a opção de cortar membros superiores, voltemo-nos para o ponto de vista fiscal. Poderemos criar um imposto que desencoraje a produção, venda e consumo deste tipo de brinquedos?


O que este vosso brilhante pata-economista tem em mente, é um imposto do tipo IVA, que será acrescentado aos brinquedos considerados incomodativos. Um imposto escalonado, concerteza, ou não fossemos nós socialistas. Escalonado da seguinte forma: poucos decibéis, pouca percentagem. Alguns decibéis, bastante percentagem. Muitos decibéis, percentagem desenfreada. O imposto seria pago directamente pelos fabricantes, os pecadores originais. Óbviamente que, como sabe quem está minimamente atento à realidade economica, estes sacudirão a água do capote aumentando o preço. Mas isto diminuiría a procura de brinquedos barulhentos, efectivamente aumentando o bem-estar da sociedade. O volume dos impostos teria que ser suficientemente grande para suportar, obviamente, uma equipa de fiscais que testariam os brinquedos e cobrariam os impostos, e também os custos de saúde e não só causados no passado e que serão ainda causados pela poluição sonora que tem raíz nestes produtos (especificamente, Prozacs, consultas no psicólogo, processos em tribunal por agressão de menores, entre outros).


Para a semana, analizaremos um imposto sobre os produtores de leguminosas segundo a produção de gases de estufa, nomeadamente metano, dos seus consumidores.

publicado por товарищ V. E. às 23:15
link do Manifesto | Debater | Assistir ao debate (1) | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|
Sábado, 22 de Julho de 2006

A Extrema-Direita Reviseted

O extremismo, nomeadamente o ultra-nacionalismo sempre foi mal interpretado, em especial pelos seus intervenientes.
O nacionalismo implica um fervor patriótico imenso, com uma justificação articulada sobre história.
Pressupondo o acima descrito, o ultra-nacionalista português, deveria de:

1- Ter a sua principal lingua como o Mirandês, seguido do Português e, como opção, o Alemão.

2- Ser um astuto e ávido "coneseur" de tudo o que seja musica pimba, cantares alentejanos ou Floribela(s), basicamente, tudo o que seja "nosso". De preferência, deverá saber umas linhas do Quim Barreiros (em especial o Mestre da Culinária) e do Vitinho (já que o Noddy é uma importação). Deixem-se dessa merda de metal e punk estrangeiro.


3- Vestirem-se de acordo com os Pauliterios de Miranda, servindo os paus para espancar classes "inferiores" ou indesejadas no Bairro Alto, com o motivo de serem pauliteiros com paus na mão. Sendo uma banda etnográfica, nada lhes farão e, com sorte, ainda recebem um subsidio.

4 - Declamar todos os rios, afluentes, capitais de distrito, hierarquias de reinantes, códigos postais e capitulos do Mein Kampf por ordem cronológica e/ou biográfica.

5- Ser caucasiano, nem que isso implique ter uma tez escura de Alcacer do Sal ou de qualquer região do Algarve.

6- Ter ido, pelo menos uma vez, numa caça aos gambuzinos ou a uma manif. policial

7 - Não passa férias em nenhum lugar sem ser no Porto.

8 - Saber as promoções de bestas na Makro, dos berbequins e "power tools" no Mestre Maco, o preço da litrada de vinho ou cerveja no Plus ou na Macro , de pins, anéis, bandeiras ( na feira da ladra) , fisgas de guerrilha urbana (venda livre a maiores de 16), pares de algemas(venda livre), luvas e gorros(venda livre), uma massa de armas (venda livre, e comprada numa loja nos Amoreiras), shotgun modelo franchi spas 12(com licença de uso e porte de arma de calibre 12 em nome da mãe dos meus filhos, ou seja devidamente legalizada), e por fim um revolver rossi.32 ilegal.


Tendo isto em conta, espero que vejamos uma atitude diferente por parte dos nossos representantes arianos
Mui Nobre Pátria!!!
Pela nação, revolução!
Acho que já ouvi isto antes....e deu merda!!!
publicado por товарищ V. E. às 17:53
link do Manifesto | Debater | Assistir ao debate (2) | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|

A Extrema-Direita Reviseted

O extremismo, nomeadamente o ultra-nacionalismo sempre foi mal interpretado, em especial pelos seus intervenientes.
O nacionalismo implica um fervor patriótico imenso, com uma justificação articulada sobre história.
Pressupondo o acima descrito, o ultra-nacionalista português, deveria de:

1- Ter a sua principal lingua como o Mirandês, seguido do Português e, como opção, o Alemão.

2- Ser um astuto e ávido "coneseur" de tudo o que seja musica pimba, cantares alentejanos ou Floribela(s), basicamente, tudo o que seja "nosso". De preferência, deverá saber umas linhas do Quim Barreiros (em especial o Mestre da Culinária) e do Vitinho (já que o Noddy é uma importação). Deixem-se dessa merda de metal e punk estrangeiro.


3- Vestirem-se de acordo com os Pauliterios de Miranda, servindo os paus para espancar classes "inferiores" ou indesejadas no Bairro Alto, com o motivo de serem pauliteiros com paus na mão. Sendo uma banda etnográfica, nada lhes farão e, com sorte, ainda recebem um subsidio.

4 - Declamar todos os rios, afluentes, capitais de distrito, hierarquias de reinantes, códigos postais e capitulos do Mein Kampf por ordem cronológica e/ou biográfica.

5- Ser caucasiano, nem que isso implique ter uma tez escura de Alcacer do Sal ou de qualquer região do Algarve.

6- Ter ido, pelo menos uma vez, numa caça aos gambuzinos ou a uma manif. policial

7 - Não passa férias em nenhum lugar sem ser no Porto.

8 - Saber as promoções de bestas na Makro, dos berbequins e "power tools" no Mestre Maco, o preço da litrada de vinho ou cerveja no Plus ou na Macro , de pins, anéis, bandeiras ( na feira da ladra) , fisgas de guerrilha urbana (venda livre a maiores de 16), pares de algemas(venda livre), luvas e gorros(venda livre), uma massa de armas (venda livre, e comprada numa loja nos Amoreiras), shotgun modelo franchi spas 12(com licença de uso e porte de arma de calibre 12 em nome da mãe dos meus filhos, ou seja devidamente legalizada), e por fim um revolver rossi.32 ilegal.


Tendo isto em conta, espero que vejamos uma atitude diferente por parte dos nossos representantes arianos
Mui Nobre Pátria!!!
Pela nação, revolução!
Acho que já ouvi isto antes....e deu merda!!!
publicado por товарищ V. E. às 17:51
link do Manifesto | Debater | Assistir ao debate (4) | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|
Sábado, 8 de Julho de 2006

Uma Pérola do Jornalismo português

publicado por товарищ V. E. às 04:49
link do Manifesto | Debater | Assistir ao debate (1) | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|

товарищи

Lenin

Manifestos recentes

Abençoados

10 de Junho

Year Zero

Descoberta fantástica!

Fruta

A luta continua!

Após uma tragédia no meu ...

O Natal

Eu

Aquecimento global

God-Zilla

Materialismo dialéctico

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Julho 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Carlos

pesquisar

 
Marxismo

Ligações obscuras

eXTReMe Tracker

subscrever feeds