Pai_dos_Povos

Segunda-feira, 26 de Junho de 2006

Critica de blógues: o blógue da Nônô e da Ramira

Sendo para isso mesmo que cá estamos, voltamos à nossa habitual rubrica de crítica de blógues. Sim, porque se a blógo-esfera năo pára, nós também podemos parar. E este vosso humilde pataphisico năo podia passar sem comentar um blógue pelo qual tropeçou recentemente. Ou mais correcto será dizer que esse blógue tropeçou no nosso, e deixou a sua marca sob a forma de publicidade num comentário, esse baixo golpe.


Mas indo directos ao assunto, falemos do blógue, e das suas “autoras”. E “autoras” năo se encontra entre aspas por acaso, como iremos ver adiante…


Ora, o dito năo terá nenhum título ou nome (a năo ser talvez “fiat lux”, o que será o modelo do carro que o paizinho lhes deu, ou entăo a discoteca que frequentam… quase até à meia-noite). Mas isso também năo tem grande importância, porque o blógue năo tem assunto nenhum.


Mas falemos das ditas “autoras”. Elas săo a Nônô e a Ramira. Duas meninas bem de um colégio privado de Lisboa. Gostam muito de coisas giras, como ir à praia, a Santos, e às missas da Opus Dei aos Domingos de manhă. A questăo é, porque é que têm um blógue? Porque têm inspiraçăo artística que sentem necessidade de partilhar com o mundo? Porque têm uma mensagem que querem transmitir? Năo, nada disso. Porque é giro ter um blógue.


O que há a dizer sobre o blógue da Nônô e da Ramira? Bem, é um blógue cheio de coisas… giras. Como năo poderia deixar de ser. Daquelas que recebemos por mail em modo de foruárd junto com toda a lista de endereços da pessoa nos manda, e que contêm mensagens de amizade, amor, ou outras coisas dessas, bonitas e… giras. Tem mensagens tocantes, fotografias bonitas, poemas, textos… Mensagens religiosas, porque é preciso năo esquecer que Jesus nos ama… Só năo tem é nada original. Mas năo se pode ter tudo, năo é?


O blógue da Nônô e da Ramira é visitado e comentado por muita gente. Como por exemplo, pela Ramira. e também pela Nônô.


Certamente que (e estritamente por motivos científicos, obviamente), aconselho uma visita.


Bem, meus caros leitores, devo admitir que talvez esteja a ser um pouco injusto. Afinal, temos que ver que duas meninas na condiçăo da Nônô e da Ramira terăo necessidade de ter um blógue: têm necessidade de comunicar com o mundo. Ou năo será “mundo” a expressăo correcta.


Vejamos, que estas meninas estudam, como disse, num colégio de meninas bem. Sim, daqueles onde năo há rapazes. O que nos leva à razăo fundamental da existência de 99% dos blógues: o engate. Tenho entăo, uma triste notícia a dar à Nônô e à Ramira: assim năo văo a lado nenhum. Se quiserem conselhos, a Nônô e a Ramira podem consultar-me em privado por e-mail, mas como sabem neste e noutros países, a consultoria năo é um serviço barato.

publicado por товарищ V. E. às 04:11
link do Manifesto | Debater | Assistir ao debate (7) | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|
Sexta-feira, 23 de Junho de 2006

Fé!

Não me chamem descrente, pois a maior fé que pode existir é a crença de que nada existe.
publicado por товарищ V. E. às 16:50
link do Manifesto | Debater | Assistir ao debate (2) | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|

Vol I

Manual Prático de Sobrevivência
Vol I – Portugal

Portugal, (de nome oficial República Portuguesa) fica situado no sudoeste da Europa, na zona Ocidental da península Ibérica, sendo o país mais ocidental da Europa, delimitado a Norte e a Leste pelo reino de Espanha e a Sul e Oeste pelo Oceano Atlântico. O território de Portugal compreende ainda os arquipélagos autónomos dos Açores e da Madeira, situados no hemisfério norte do Oceano Atlântico, completando uma área total de 92,391 km². O arquipélago da Madeira faz parte geologicamente do continente africano, assim como as ilhas açorianas das Flores e do Corvo, situadas além da placa atlântica, são já geologicamente parte do continente americano. É portanto um país charneira entre estes três continentes, o que explica a riqueza dos seus vários climas, diversificados, num território continentalmente limitado.
Nem mais…obrigado Wikipédia… pena aquilo da parte de pertencer aos “states”!!!
Mais vale sub-alugar a coisa.

Sobreviver neste território hostil, apenas com 500 ou 300 euros já é significativo, tendo em conta que os combustíveis têm mais altos e baixos que um hipertenso em repouso, as taxas de juro parecem controladas por psicossomáticos e os telemóveis vendem-se que nem roupa interior para um doente suprarenal… quanto mais ser pensionista!
Aconselho, para além do indispensável canivete suíço, o seguinte:

- Conhecer um político (nem que seja da junta)
- Conhecer um polícia (nem que seja da PSP)
- Conhecer um médico e/ou enfermeira (nem que seja anestesista ou veterinário)
- Conhecer alguém das finanças (caso não se esteja medicado contra a diarreia)
- Conhecer alguém num restaurante (de preferência sem ser o tasco do “Zé” ali da esquina, mas uma coisa decente q/b….nem que seja um chinês)
- Conhecer alguém no centro de emprego
- Conhecer o(a) tipo(a) que conseguiu juntar o Seal com a Heidi Klum.

Posto isto, apenas tenho a citar Júlio César:

Lá para os confins da Ibéria há um povo que não se governa nem se deixa governar!

Ave César. Nós que estamos prestes a morrer, saludamos-te!

PS: Não comente a este texto se:
a) – Tenha pertencido à gerência do Banco de Portugal
b) – Seja um dos que terá uma reforma superior a 500 euros
c) – Se considere um “mileurista” (ver Wiki)

A Gerência agradece.
publicado por товарищ V. E. às 16:49
link do Manifesto | Debater | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|
Quinta-feira, 1 de Junho de 2006

O Regresso do Guerreiro

Segundo os últimos relatórios, Ariel Sharon, ex-primeiro-ministro de Israel e arqui-inimigo jurado de Yasser Arafat para toda a eternidade, tem estado a abrir os olhos durante várias horas seguidas, depois de ter estado em coma durante várias meses. Um fenómeno que o leitor comum considerará miraculoso e que conduzirá sem dúvida a que o velho falcão se levante uma manhã destas e se chegue ao tal de Olmert a dizer “Pá, tás sentado no meu lugar!”.


Apesar de fantástico, as nossas sempre bem informadas fontes conseguiram desvendar a causa deste mistério. Como é de conhecimento geral, o Céu não faz parte da crença judaica. Por essa razão, e depois da burocracia tratada, Ariel dirigiu-se, obviamente, ao Inferno. O problema foi que, quando lá chegou, encontrou o tal de Arafat à porta armado com uma cimitarra ferrugenta a berrar “Infiel, vens tirar-me a minha terra! É minha ouviste! Cheguei cá primeiro! Queres matar o meu gado, roubar as minhas mulheres e violar o meu cão! Fora! Rua!”. E o pobre Ariel teve que ir embora com medo de apanhar tétano se fosse picado com aquela navalha ferrugenta.


E, porque como já disse, para os judeus o Céu não existe, a sua única alternativa foi voltar para a terra. E cá o temos de volta.

publicado por товарищ V. E. às 03:38
link do Manifesto | Debater | Assistir ao debate (3) | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|

товарищи

Lenin

Manifestos recentes

Abençoados

10 de Junho

Year Zero

Descoberta fantástica!

Fruta

A luta continua!

Após uma tragédia no meu ...

O Natal

Eu

Aquecimento global

God-Zilla

Materialismo dialéctico

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Julho 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Carlos

pesquisar

 
Marxismo

Ligações obscuras

eXTReMe Tracker

subscrever feeds