Pai_dos_Povos

Domingo, 29 de Fevereiro de 2004

Pseudo-intelectuais de pseudo-esquerda

Desloquei-me esta noite passada, com uns colegas, amigos e camaradas (não necessariamente por esta ordem), todos anti-fascistas e anti-democratas, a um espaço de tertúlia, nomeadamente tertúlia copofónica. Nisto, e quando falávamos de assuntos tão interessantes como cús de gajas, a cor do vento, a novela da noite, fisica quântica, a nossa senhora de fátima ou literatura erudita - na onda do Paulo Coelho, Zé Luis Pixoto, Margarida Pinto Foleiro ou Cristina Mamas Lindas - deparámo-nos com uma situação, no mínimo, intrigante: porque razão os pseudo-intelectuais pseudo-revolucionários de pseudo-esquerda usam barba e não bigode? Factos: Marx e Engels usavam barba. Lenine e Estaline usavam bigode. O Chico Louçã, o Saramago e o Miguelito Portas não usam nem barba nem bigode. Já o Artur Jorge, a Fernanda Ribeiro e o António Sala usam um bigodaço à maneira. Então e que quer isto dizer? Para o cidadão comum, pouco identificado com os mecanismos inconscientes da mente, as estruturas que nos levam a ordenar todas as nossa experiências sensíveis e a construír, catalogando o que nos rodeia, para esses cidadãos, os factos acima referidos não querem dizer nada. mas são de extrema importância, como adiante poderemos constatar. Quem são os pseudo-intelectuais pseudo-revolucionários de pseudo-esquerda? São tantos que não será possível abrangê-los todos aqui. contudo, temos vários estereótipos. em primeiro lugar, os jovens universitários apoiantes do Bloco de Esquerda. É aquele menino betinho, com um penteado despenteado, com roupita cirurgicamente-recortada-para-parecer-rasgada, que gosta de dizer que vive numa casa oKupada mas o paizito paga-lhe a renda. Tem a mania que vai mudar o mundo, que o capitalismo é uma coisa má - e vai para as unis com telemóveis daqueles que tiram fotos e tá sempre caído na internet-, que odeia os EUA - e usa roupa made in USA-e não bebe coca cola-mas bebe bacardi-, que não paga as propinas - eu também não pago, paga o meu pai -, que é diferente que ele é que sabe e se preocupa com os outros e que é revolucionário porque fez um manguito ao polícia de trânsito na rotunda do marquês quando ia no BM do pai e tem uma arma branca - corta unhas. também não gostam de ter carros nem de conduzir, no entanto tá sempre a chular boleias. Normalmente onde vai é o chato de serviço, e adora lamber o cú aos professores mostrando que sabe muito e ao Francisco Louçã, que é aquilo que ambiciona tornar-se (e mais dia menos dia torna-se, é como a borboleta que antes era lagarto. o Louçã quando jovem era desta estirpe, mas não bebia bacardi, bebia snappy), apesar de só dizer merda. este tipo de jovens - esqueci-me de referenciar as tendências homosexuais, se bem que isso é muitas vezes uma outra faceta: visto que são tão mas tão chatos é a única forma que têm de conhecer raparigas- normalmente estes rapazolas gostam de deixar a barba por fazer - se por barba se pode denominar meia dúzia de pintelhos faciais. Acrescente-se ainda que moram sozinhos no tal apartamento pago pelos pais, mas a apenas 30 minutos - no máximo - de distância da casa dos pais, onde se desloca frequentemente para ir comer, pedinchar dinheiro, ir ver os jogos na Sporttv e bater umas punhetas à custa do Sexy Hot. Esta práctica prende-se com dois factores: 1) Falta de prática no manuseamento de gilletes: como todos -até as gajas fazem a depilação, quando não a própria barba com elas!- sabem as gilletes são de fabrico americano. Ora pseudo-revolucionário que se preze tem de detestar os EUA. além de detestar os EUA, tem de estar em contínuas sessões de leituras de autores pseudo-revolucionários e pseudo-esquerda, na onda de Chomsky, Trotsky e Saramago. Então é óbvio: não lhes resta tempo para aprender a utilizar essa arma subversiva capitalista que os grandes capitalistas empregam para dominar o proletariado: a gilete! e a barba está para o cérebro como o cabelo estava para a força de Sansão: porque é que o Sansão nunca teve filhos? pq quando a Dalila lhe cortou o cabelo, aquilo nem com viagra, nem pau de cabinda nem nada. vá lá que enquanto houver lingua e dedo... Bem, voltando à barba...já referi que estes jovens normalmente não fodem-só com ovelhas, galinhas, melancias, bicos de aspirados, tubagens apertadas, etc,etc. -. e lá diz o povo que "quem tem barba tem bigode, quem tem pixa também fode". ora está tudo explicado: lenine e estaline tinham bigode e fodiam; marx e engels tinham barba e bigode e fodiam; a Fernanda Ribeiro deve ser uma grande fodilhona, isto para não falar nos ZZ Top; por outro lado o Saramago, o Louçã e o Portas não têm barba nem bigode, devem estar em jejum, bem como todos os jovens pseudo-revolucionários que têm barba-pintelho e não têm bigode!! então a barba é um resultado das estruturas inconscientes: já sabedores que não fodem, deixam crescer a barba, e uma vez que não têm bigode, não fodem nem à lei da bala. isto dá outro motivo para não utilizar a gilete: os calos com que ficam nas mãos de tantos trabalhos de bricolage. Assim, um mero provérbio popular explica a razão de tantas barbas-pintelho em jovens sem bigode e em políticos chungosos de esquerda-caviar. não explica a razão porque esse jovens são os saloios que são. mas isso fica para outro dia.


Avante Camaradas! O Povo Vencerá!

publicado por товарищ V. E. às 20:04
link do Manifesto | Debater | Assistir ao debate (7) | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|
Sábado, 28 de Fevereiro de 2004

Tácticas de Guerrilha Urbana - Fauna

Capitulo 1º - "As Aves"

Como todos nós sabemos, não deve de existir pássaro mais estupido e incompetente do que o Pombo...mas numa aplicação bem remetida, até o pombo se pode tornar numa arma de destruição em massiva (ADDM).
Como todos nós podemos constatar diáriamente, o pombo é um verdadeiro "terrorista" urbano. Longe vão os tempos em que este animal era uma das mais fiáveis vias de comunicação que, infelizmente, caiu em desuso e na subsequente desgraça, tornando-se um empecilho para todos, em especial as autarquias, que suportam os custos de limpeza e recuperação de monumentos e afins...
Mas o Pombo, no entanto tem um funcionamento muito simples, à la slot machine. Como já foi frisado pelo Pathafisico Azul, uma das formas em que este animal pode ser usado na guerrilha urbana é exactamente, dispersando "aperitivos".
Ora bem....de modo a causar mais estrago ( e esta é vocacionada aos carros, iniciativa à qual apoio a sua sabotagem..) a "plantação" do isco é muito importante. Sugiro então que se ponha (com um pouco de cola os resultados serão os melhores) pão, de preferencia Bimbo ou outro tipo de "pão" desde que seja fresco, fofo e sem côdea, em qualquer parte do carro, indo a preferência para uma maior área, por ex. o tejadilho. Desta maneira a avaliação dos estragos serão feitas muito tardiamente, por pessoas com mais de 1, 70 metros, dependendo do carro.
E porquê um pão fofo, fresco e sem côdea? Bem... fofo e fresco porque ao debicar, não só deixa brinde como cria um padrão pontilhista em qualquer pedaço de pintura. Quanto à côdea, é apenas para a SPA (o A é de Animais e não de Autores) não me chatear os cornos, sobre maus tratos infligidos...
Depois é só deixar o tempo fazer o resto. A ferrugem nunca dorme.
Para resultados mais sádicos, imediatos e nojentos é só por uma rolha no cú do pombo, alimentá-lo com anfétaminas, esteróides anabolizantes, juntamente com aquelas rações para culturistas e batidos protainicos, misturados com uma boa dose de laxante (q.b.) até ele ficar a olhar para ti com aqules olhos quase a saltar.....et voilá...uma granada de mão, totalmente armadilhada.

P.S.: Convem ser desactivada antes que os olhos saltem ou que ele te dê um enxerto de porrada.


Amanhã: As Gaivotas
Citando o Engº Sousa Veloso:"Despeço-me com amizade e espero por si na próxima edição.."
publicado por товарищ V. E. às 07:43
link do Manifesto | Debater | Assistir ao debate (5) | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|
Quinta-feira, 26 de Fevereiro de 2004

Manifesto da B.R.A.S.V.

  A Brigada Revolucionária Armada do Sapato Vermelho reclama todos os passeios para os peões, e declara seus inimigos todos aqueles que por qualquer meio impedem ou dificultam a circulação à là pate pelos passeios das cidades, vilas, e mesmo aldeias de Portugal e do mundo.


  O tempo de confiarmos nas autoridades eleitas (ou não) para multarem os automóveis que estacionam em cima dos passeios, para acabarem com os arrumadores que os põem lá, e com a enormidade de outros objectos que impedem quase totalmente a mobilidade nos já curtos passeios, cada vez mais encurtados pelos estacionamentos que se vão fazendo. Falo de contentores de lixo estratégicamente colocados entre uma paragem de autocarro, uma máquina de preservativos e um pedinte, tapumes "temporários" de obras onde não se dão ao trabalho de fazer passagens para peões, que se arrastam por mais tempo que as obras do Rossio... E nem sequer me vou referir a esse verdadeiro desporto em que muitos peões tiveram que se tornar verdadeiros campeões olímpicos, desviar-se da merda de cão.


  A principal praga são, no entanto, os automóveis. A B.R.A.S.V. declara guerra a todos aqueles que, para caminharem um pouco menos, estacionam o carro precisamente no ponto em que vão obrigar o peão a dar a volta e caminhar pela estrada, pondo em risco a sua vida. Pois agora, a partir do momento em que a B.R.A.S.V. se torna activa, o risco passa a ser também deles, ou da coisa que é mais preciosa na vida do condutor: o seu rico carro.


  Os activistas da B.R.A.S.V. andarão armados com chaves, clips (dos grandes), canivetes, entre outros utensílios que lhes permitirão riscar a pintura ou furar pneus de viaturas inimigas. Transportarão também sprays de graffiti e outros, que lhes permitirão espalhar a palavra da B.R.A.S.V. A palavra será espalhada, obviamente, por viaturas mal estacionadas. Alguns poderão também escolher o método de apagar cigarros ou outros materiais fumáveis (charutos, beedies, charros... cachimbos é o ideal) no capô do veículo. Em frente ao condutor, e deixando o cigarro (ou outro) erecto, como um falo, para que aquele o possa ver bem antes de arrancar, é a forma correcta. Deixa-se, no entanto, ao critério de cada um o seu modus operandi, a não ser nas operações mais importantes. Cada um pode transportar várias ou todas as armas descritas, e mesmo, usando a imaginação, algumas outras. O limite é o céu, ou bombas termo-nucleares. Posso dar o exemplo do anúncio a um automóvel de uma marca que aparece bastantes vezes na lista negra da B.R.A.S.V. onde atiram pão (ou assim) para cima do carro e os pombos põem-se lá em cima a cagar. É uma ideia bastante interessante. Outra ideia interessante, é deixar os pombos em paz e cagar pessoalmente no veículo, principalmente se tiver sido acabado de lavar.


  Futuramente, a B.R.A.S.V. pretende adquirir também, além de armas de fogo (em conjunto com duas organizações revolucionárias irmãs), bloqueadores para os pneus. E no longo prazo, talvez possamos até ter um rebocador. A partir desse momento começavamos a arranjar problemas com a Greenpeace por poluir os rios, mares e lagos deste mundo, mas não há revolução sem resistência.


VIVA A REVOLUÇÃO!


VIVA A BRIGADA REVOLUCIONÁRIA ARMADA DO SAPATO VERMELHO!


TODO O PODER AOS PEÕES!

publicado por товарищ V. E. às 11:19
link do Manifesto | Debater | Assistir ao debate (10) | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|
Domingo, 22 de Fevereiro de 2004

Teatro Erudito

Como podem constatar, tudo neste blog é erudito. até o desporto - pelota basca - é erudito. Ora, intelectual que se quer pseudo, tem necessariamente de se interessar e focar nas suas interacções sociais - normalmente tentativas de engate falhadas, devido ao peso excessivo de paleio teórico sobre a merda sem cheiro nas conversações entabuladas - certos motivos de interesse. Uma pecha até agora no nosso blog erudito anti-blog e anti-pseudo-intelectuais é o TEATRO! evidentemente, pseudo-intelectual que é pseudo-intelectual tem de se interessar por teatro. por teatro e por tudo o que é arte, evidentemente. em primeiro lugar convinha esclarecer o que se entende por arte, mas isso fica para outro assunto. bem como design finlandês - sobre isso discursarei lá mais para o fim da semana, pois está presente no Centro Comercial de Belém uma exposição intelectualíssima e refinadíssima de um designer finlandês. Mas voltemos ao teatro. Falemos de peças para pensar. um conceito grandioso. magnifico. que coisa excelente, vamos ao teatro e vimos algo que nos transcende, fruto de uma mente genial, que só os privilegiados conseguem compreender. Oh si cariño, me gusta. quer dizer...e o engraçado é que os palermas todos que lá vão armar-se compreendem. duh! uma peça - por exemplo - onde a história principal é sobre 2 gajos que andam aos pulos atrás um do outro e as gajas parecem os macacos do rochedo de gibraltar atrás de bananas - só que mais peludas e com um bigode digno de um sheriff do far-west. e depois vêm-me dizer que a peça é sobre amor? bem, acabo de ver na TVI o filme "A fúria do herói", com Sylvester Stallone no papel de John J. Rambo, e sinceramente, prefiro ver o Rambo num momento zen a partir a focinheira toda a um polícia pacóvio do que estar a ver discursos sobre nada, que ninguém percebe e além do mais não querem efectivamente dizer nada. mas, sim! falar sobre os problemas capilares dos rinocerontes do rwanda, ou sobre as filosofias budistas e sobre yoga - sobre a malta que faz yoga quero partilhar convosco 1 estatística - 50% não gostam de mulheres, os outros 50% são gays -, tudo merdas boas para quem não tem nada para fazer. fdx. vão ver o rambo. ao menos quem vê o rambo não anda com teorias filosóficas nem armado que sabe tudo. quem vê o rambo não quer saber de poesia, construção civil no alaska - fazer iglos é um negócio quente -, pelota basca, bloco de esquerda, ou michel foucault; não é aquela que finge que sabe tudo sobre arte e cultura, quando o que precisam é de ir às putas. yoga? budismo? filosofia? teatro? opah, quem vê o rambo pegar numa marreta e partir um marco do correio, ou andar pelas ruas de uma cidade com uma anti-aérea a tiracolo, tudo isto na maior, sem problemas, não se preocupa com tolices dessas. O que fazia cá falta em Portugal era um Rambo, mas em vez de andar à caça de vietnamitas ou de comunistas, podia muito bem andar à cata de pseudo-intelectuais e da malta do bloco de esquerda. teatro? olha a ultima vez que fui a um teatro desses ditos de vanguarda adormeci lá dentro e a vontade que tinha antes de adormecer era de espetar um prego a ferver nos meus próprios olhos. e ainda me cobraram uma exorbitância qualquer, que dava para ler a bola e comer um courato. mas acho que o burro sou mesmo eu, visto que fui dos poucos que achou que aquilo era uma merda, que a história era tão má como ter um sonho erótico com a Manuel Moura Guedes, se não pior! os pseudo-intelectuais e os artistas (palavra que confere um novo significado para a palavra vadios, da qual é um sinónimo) de elite todos elogiaram: é do melhor, que belissima encenação, isto é genial. eu sinceramente, tenho mais do que fazer ao meu tempo e ao meu dinheiro do que andar a ver um bando de histéricos com problemas de integraçao social - e não são extra-comunitários - a lamber o cu uns aos outros, a praticarem masturbação intelectual - se calhar é mais masturbação só, visto que o intelecto ali é a modos que reduzido. eu prefiro mesmo ver o Rambo, ler a bola, atirar o dinheiro para a sarjeta ou até mesmo - pasme-se - dá-lo ao elefante do jardim zoológico para ele tocar a sineta. é a vida. mas eu não sou pseudo-intelectual. nem intelectual sou. eu gosto do rambo, de gajas, de cerveja, de futebol, de maltesers, fazer crochet e partir blocos de cimento à cabeçada. posso até gostar de ir ao teatro ou de ver filmes de realizadores das ilhas faroé ou de jogar xadrês com um trolha guineense. cada um sabe de si! e o vinho é que induca e o fado é que enstrói! mas ao menos não sou intelectual. se fosse punha aqui um final do género: e agora, enquanto queimo incenso em honra de iémanjá, vou beber um infusão de ervas tibetanas e ler um livro sobre paz espiritual, para meditar quando for para o vale dos lençois. mas não :-| vou mesmo comer chocapic com leite, e vou ler o tio patinhas. ou jogar um jogo de carros. Resistam Camaradas.
publicado por товарищ V. E. às 17:36
link do Manifesto | Debater | Assistir ao debate (8) | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|
Quarta-feira, 18 de Fevereiro de 2004

Pelota Basca

pelota_basca.gif

Já dizia Platão: em pelota basca, o que hoje é verdade, amanhã pode ser mentira!

Numa altura em que se aproxima um importante evento desportivo, no caso o grande derby do badminton feminino opondo a equipa do Irvine Valley College ao Santa Ana Irvine, dia 27 Fevereiro, uma sexta-feira, às 6:00 PM *Santa Ana Irvine, urge dedicar umas palavras ao desporto. o badminton é para muitos o desporto rei, emocionante e apaixonante, impróprio para cardíacos, diabéticos e peripatéticos. contudo, apesar de não ser um desporto que se encontre suficientemente divulgado entre o povo de miranda do douro, disputar-se-à em Portugal o Campeonato Europeu de Pelota Basca 2004.
O verdadeiro desporto rei: a pelota basca. a pelota basca, esse desporto que nem os bascos praticam, está para os castelhanos como o canivete está para os alentejanos. e, no entanto, continua a ter transmissões directas nas manhãs de fim de semana da TVE - a televisão de madrid, que também dá touradas e novelas com gajas boas. iremos falar neste desporto porque ainda hoje se realizou um jogo de futebol - para quem não sabe o que é, é favor dirigir-se à rtp e pedir uma cópia da série La Piovra - o polvo - entre portugal e o país com quem assinámos o tratado de methuen, a inglaterra. no entanto, como referi atrás, aproxima-se um evento desportivo importante, o euro 2004 de pelota basca, e dentro em breve teremos de aturar toda a pseudo-intelectualidade e todos os artistas pimbas (incluindo a teresa guilherme (digam o que disserem é uma artista pimba), o joao cutileiro, o pequeno saul e o cáuboi do toy story, também conhecido por pedro miguel ramos ou o francisco louçã), todos estes artistas serão a partir de agora grandes fãs de pelota basca - apesar de nunca terem visto um jogo. todos aqueles que se estão a cagar para o desporto, são a partir de hoje fãs número um da equipa portuguesa. ainda hoje vi o gabriel alves - esse verdadeiro israelita do comentário desportivo - a cometer mais um genocídio contra a língua portuguesa que durou cerca de 90 minutos mais descontos!! e mais: convidam o dani - http://relvado.com/div/04/01/20/1752222.shtml - para comentar os jogos no canal 1? ainda se fosse para o sexy hot, para o playboy ou para a cnn, ainda se compreendia, mas...para a televisão pública? opah...quer dizer...ele jogar à bola, prontos jogava mais ou menos, para modelo até é giro - apesar de ser nanico, mas adiante -, não são precisos grandes atributos. agora para comentar é preciso saber falar!! e que eu saiba, nenhum futebolista - desde o saudoso Neno - o sabe fazer. então é esta a educação que oferecem ao povo açoriano? comentadores que não sabem falar português - nem grego, nem hebraico, nem swaili!! então não temos direito de ter o carlos ribeiro ou o júlio isidro a comentar os jogos? entre o dani e o gabriel alves, venha o diabo e escolha.
Quanto à modalidade em si, é um desporto praticado em portugal desde os tempos do cagar em pé! e em termos de pelota basca, somos conhecidos como os etiopes da europa: não pescamos nada. e nunca ganhamos nada relevante. apesar disso temos grandes jogadores e toda a gente é fã da nossa espectacular equipa - que nunca ganha nada. e apesar de tudo é um desígnio nacional ir ver os jogos. é mais importante do que ir votar, escarrar para o chão ou chamar nomes aos castelhanos. eu sinceramente, o meu hobbie nao é a pelota basca. mas também não sou pseudo-intelectual-sport-billy. por último é de referir o facto de na última liga dos campeões de pelota basca, o representante português, clube recreativo e cultural de sarilhos grandes, ter-se quedado pela vigésima posição, entre os 10 participantes. o que foi muito bom. ficou à frente de quem vinha atrás. e fez pum. e explodiu.
Deixo-vos os resultados dos últimos jogos pan-americanos (2003), na modalidade de pelota basca:

MASCULINO
Pelota goma
Atleta País
Javier Nicosía/Marcelo Franco ARG
Homero Hurtado/Edgar Salazar MEX
Joel Fernández/Juan Romero POR

FEMININO
Frontenis
Atleta País
Paulina Castillo/Guadalupe Hernández MEX
Verónica Stele/María Fernanda Schettino ARG
Amelis González/Yunía Virgen Matamoros CUB
publicado por товарищ V. E. às 19:01
link do Manifesto | Debater | Assistir ao debate (7) | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|

Thelema

Thelema ("télema") é uma palavra grega que significa "vontade" ou "intenção", e é soletrada THETA-EPSILON-LAMBDA-ETA-UM-ALPHA. Thelema possui o valor numérico de 93, que é o mesmo de AGAPÉ (Amor em grego). É também o nome de uma filosofia espiritual nova que vem sendo elaborada nos últimos cem anos e está tornando-se gradualmente estabelecida mundialmente.

Uma das primeiras citações desta filosofia ocorre no clássico Gargantua e Pantagruel escrito por François Rabelais em 1532. Um episódio desta aventura épica fala da fundação de uma " abadia de Thelema ". Uma instituição para o cultivação das virtudes humanas, que Rabelais identificou como sendo em exactamente opostas às ideias cristãs que prevaleciam naquele tempo. A única regra da abadia era: " faze o tu que queres ". Esta tem se tornado uma das condutas básicas da filosofia Thelémica atual.

Embora tenha sido influenciada por vários pensadores visionários proeminentes em cerca dos cem anos seguintes, as sementes de Thelema plantadas por Rabelais vieram eventualmente à frutificação no fim deste século quando foram desenvolvidas por um inglês chamado Aleister Crowley. Crowley era um poeta, autor, escalador de montanhas, mago, e um membro da sociedade oculta conhecida como a " The Hermetic Order of the Golden Dawn ". Em 1904, em viagem ao Egito com sua esposa Rose, Crowley envolveu-se em uma série de eventos os quais classificou como inaugurantes de um novo Aeon (Éon) da evolução humana. Estes culminados em abril quando Crowley em estado de transe escreveu os três capítulos de 220 versos que vieram ser chamados O Livro da Lei (conhecido também como Liber AL ou Liber Legis). Este livro declara entre outras coisas: " a palavra da lei é Thelema " e " faze o que tu queres será o todo da lei ".

Crowley passou o resto de sua vida desenvolvendo a filosofia de Thelema como revelada pelo Livro da Lei. O resultado é um volumoso comentário e obras englobando magick, misticismo, yoga, qabalah, e outros assuntos ocultos. Virtualmente todos seus escritos possuem a influência de Thelema como interpretada e compreendida por Crowley em sua capacidade como o profeta do novo Aeon.

Uma teoria afirma que cada capítulo do Livro da Lei está associado a um Aeon particular da evolução espiritual humana. De acordo com esta visão, o Capítulo Um caracteriza o Aeon de Isis, quando o arquétipo da divindade fêmea era predominante. O Capítulo Dois relaciona-se ao Aeon de Osiris, quando o arquétipo do Deus morto se tornou proeminente, e as religiões patriarcais do mundo se tornaram estabelecidas. O Capítulo Três descreve a inauguração de um aeon novo, o Aeon de Horus, filho de Isis e Osiris. É neste aeon novo que a filosofia de Thelema será revelada integralmente à humanidade, e tornar-se-á estabelecido como o paradigma preliminar para a evolução espiritual da espécie.

Alguns dos elementos essenciais do postulado de Thelema são:

"todo homem e toda mulher é uma estrela."

Isto geralmente é interpretado com a ideia de que cada indivíduo é original e tem seu próprio trajecto em um universo espaçoso aonde ele pode se mover livremente sem colisão.

"faze o que tu queres será o todo da lei." e " tu não tens direito senão fazer tua vontade."

A maioria dos Thelemitas afirma que cada pessoa possui uma Vontade verdadeira, uma única motivação geral para sua existência. A lei de Thelema exige que cada pessoa siga sua Vontade verdadeira para alcançar a realização em vida e a liberdade da limitação de sua natureza. Porque nenhuma das Vontades verdadeiras podem estar em conflito real (de acordo com " cada homem e cada mulher é uma estrela "), esta lei proíbe também que se interferira com a Vontade verdadeira de outra pessoa.

A noção da liberdade absoluta para que um indivíduo siga sua Vontade verdadeira é estimada entre Thelemitas. Esta filosofia reconhece também que a tarefa principal de um indivíduo que segue o caminho de Thelema é a de primeiramente descobrir sua Vontade verdadeira, dando grande importância a métodos de auto-exploração tais como magick. Além disso, cada vontade verdadeira é diferente, e porque cada pessoa tem um ponto de vista original do universo, ninguém podem determinar a Vontade verdadeira para uma outra pessoa. Cada um deve atingir esta descoberta por si próprio.

"o amor é a lei, amor sob vontade."

Este é um corolário importante para o anterior, indicando que a natureza essencial da lei de Thelema é aquela do Amor. Cada indivíduo une-se a seu "Self" Verdadeiro pelo Amor, e assim feito, o universo inteiro de seres conscientes une-se com cada outro ser através do Amor.

Naturalmente, com a enfase na liberdade e individualidade inerentes a Thelema, a opinião de cada Thelemita sobre a lei tende a diferir substancialmente. No Comento adicionado ao livro da lei indica-se isso: " todas as questões da Lei devem ser decididas somente com apelo aos meus escritos, cada uma por si. " Embora Thelema seja referida às vezes como uma " religião ", ela acomoda uma escala vasta de crenças individuais, do ateísmo ao politeísmo. O importante é que cada pessoa tem o direito de completar-se através das crenças e acções que lhes melhor servirem (desde que não interfiram com a Vontade alheia), e somente ela mesma é qualificada para determinar quais elas são.

Finalizando, Thelema é o maior sistema mágico existente, nunca ouve e nunca haverá outro igual, e isto é totalmente independente de qualquer Ordem Iniciática

Conclusão; se nos apetece ser contraditórios, vamos ser contraditórios. Se nos apetece comentar, comentamos. Se nos apetece despejar merda sem cheiro, vamos despejar toda a merda sem cheiro. :) Bjokinhas e continuem a comentar, é isso que nos dá vida.
publicado por товарищ V. E. às 09:47
link do Manifesto | Debater | Assistir ao debate (10) | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|
Terça-feira, 17 de Fevereiro de 2004

Literatura do Sri Lanka

Acabei, há pouco tempo, de ler uma obra composta por quatro volumes sobre a vida no Sri Lanka. É incrivel como ninguém presta atenção à fantástica literatura do Sri Lanka... Temos tantos intelectualóides de primeira segunda e terceira, ou categorias ainda mais avançadas, e ninguém fala da literatura Sri Lankesa... É com uma grande tristeza, para uma pessoa como eu, tentar discutir o tema do livro e não ter alguém à altura. A maioria das pessoas nem sequer sabe onde raio fica o Sri Lanka! E temos estes 'freaks', acho que é como lhes chamam. que agora só vestem aquelas roupas cheias de cores feitas, segundo eles pelos índios, mas nem sequer sabem ver nas etiquetas que a maioria é 'made in Sri Lanka'!!! Aposto que nem sequer sabem onde raio fica o Sri Lanka... Bem, mas realmente.... ONDE RAIO FICA O SRI LANKA?! Bem, é maisómenos ao sul da Índia um bocadinho à esquerda, ou será à direita? (maldita disléxia...)...é uma ilhota ao sul da Índia, perdida no oceano Índico, portanto. E pensar no quão fantástico é todo o trabalho proveniente de lá...mas nunca pensam que há pessoas formadas e uma literatura absolutamente fantástica sobre o trabalho deles! Tal como sobre a produção de Marijuana... e aquelas bolsinhas engraçadas daquela linha que têm uma folha de cannabis desenhada... Enfim... é uma vergonha não haver literatura disponível e muito menos informação para quem a não conhece!
E pior que tudo isto é de facto o meu esquentador... No outro dia estava eu a tomar banho, completamente ensaboada e com o shampô no cabelo e o raio do esquentador desligou-se e não se voltou a ligar... Passadas umas horas funcionou perfeitamente quando a minha mãe quis tomar banho, e também quando o meu pai o fez... No dia seguinte a mesma história. A verdade é que eu lhe chamei muitos nmes, mas não pensei em ferir susceptibilidades muito menos os seus sentimentos. Sinto-me revoltada...
publicado por товарищ V. E. às 04:44
link do Manifesto | Debater | Assistir ao debate (8) | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|
Segunda-feira, 16 de Fevereiro de 2004

Cinema Erudito

Depois de ter assistido a um ciclo de cinema escandinavo com predominante incidencia em realizadores Noruegueses sediados em Throndeim e noutras pequenas localidades no norte da Noruega...interessante ciclo de uma semana que abordava os mais diversificados temas..desde a migraçao do alce de pelo curto pra sul nas aridas estepes da sibéria até á antropofagismo mediático que fez colidir os antofagastas neonazis que emigraram da suécia até á noruega depois da guerra fria. resolvi deslocar-me até um daqueles cinemas q há por aí ..em longas superficies comerciais...um cinema daqueles onde se vendem pipocas.. e ainda a agua suja do capitalismo entre outras guloseimas que pouco ou nada interessam para a setima arte, o ecran...enorme...mais q gigante nao ajudava ao visionamento da pelicula e o som ensurdecedor em stereo surround incomodou-me fortemente os timpanos. Da próxima vez – que espero não seja tão cedo – tenho de me lembrar que para ir a um cinema de um grande grupo capitalista tenho de levar daqueles tampões para os ouvidos que os arrumadores de aviões usam. Até dá para ouvir o realizador a dar ordens. Mas isso é outra conversa.
O filme – americano – meus caros, chamava-se big fish. É de um realizador de culto-mainstream. Uma daqueles que só uns poucos sabichões conhecem mas que por acaso tem sempre filmes comerciais. Mas uns amigos insistiram e lá fui eu. Até não começava mal, com um achig㠖 peixe adorável que vive em muitas barragens e albufeiras desse Portugal – enorme a ser – mal – pescado. Mal porquê? Porque os achigãs se pescam do meio para a margem e não da margem para o meio. Eles vivem nas margens, nos mais recônditos locais, perto de ramos e árvores submersas e não no meio do rio. Como é que eles – mesmo usando toda a espécie de amostras – queriam apanhar o peixe? Além disso, é do conhecimento geral que o achigã não morde, não abocanha a presa – suga-a como se fosse um aspirador. Posto este péssimo começo, coloquei em causa todo o filme – e com razão!
Onde está o realismo – que o filme não tem. É um sonho o filme? Bem, seguindo a grande escola lituana de cinema, vemos que o sonho é uma forma de transgressão à norma, que marca a divisão entre o eu-posso e o eu-quero.
Gostava também de falar sobre o patagónio zulu que à minha frente dizia que este filme era um filme para minorias, que nem todos o compreendiam. O minha grande zebra. Todos compreendem o filme, cada qual à sua maneira, pseudo-inteléctualóide de 5ª categoria. Vai mas é ao cine-clube ver ciclos de cinema dedicados aos tuaregues, aos alces de pelo curto, aos sexo oral entre os nativos eunucos das ilhas tanimbar. Ou então, mete o dedo no cú e cheira. Eu só vejo filmes desta índole: educativos, para pensar, cultos, eruditos, chatos e com um papel de luta social, pois despertam consciências. Isto para quem não adormece no filme! E mais!! Os pequenos e eruditos cine-clubes não têm pipocas nem coca-cola – têm snappy e torresmo –e os espectadores têm muito mais respeito pelo cineasta, pela equipa que fez o filme, pois o filme não acaba no fim: o filme acaba após ter acabado o genérico, com os agradecimentos e tudo o mais. Quem realmente gosta de cinema vê as letrinhas até ao fim, não sai logo mal vê as três letrinhas F-I-M, como se estivesse com pressa para cagar.
Temos de enaltecer os realizadores nórdicos – todos menos o Lars Von Trier, yuck, comercialeco zuevo – os bielorussos, os estónios, os letões, todos esses países de grandes tradições cinematográficas underground, que cada vez mais nos surpreendem com verdadeiras obras-primas, como pude constatar neste ciclo – então o filme sobre a migração dos alces, Uh-la-la, maravilha das maravilhas. Tenho informações que dentro em breve será dedicado um ciclo a jovens realizadores de países tão díspares como a Mauritânia, a nova caledónia e cuba (no Alentejo)- este último convidado para argumentista da próxima super-produção da tvi, uma novela protagonizada pela sofia alves. As temáticas das suas obras têm em comum o facto de serem indecifráveis e pouco divulgadas entre o grande público. O filme do jovem realizador mauritano, mohammed abu abbar, é de uma simplicidade tremenda, e mesmo assim, imensamente poético: uma história imaginária, onde a polónia invadia e ocupava a Mauritânia, cujos habitantes se regugiavam em são Tomé e príncipe, causando o afundamento das ilhas devido ao peso excessivo – não pela sua gordura, pois são todos raquíticos, mas porque transportariam consigo toda a areia dos desertos do seu país natal – pelo que também pagaram multas nos aeroportos devido a excederem os 20 kgs de carga. Após saberem disto, os seus irmãos marcianos, declaram guerra aos croatas e obrigam-nos a abandonar a Mauritânia, que sem areia, é colonizada por pigmeus. Uma obra prima cujo visionamento vos aconselho vivamente - sobretudo se gostarem de auto-flagelação, de serem mordidos por mosquitos, abelha, sanguessugas e cães raivosos, bem como de manoel de oliveira e pelos seus filmes! A quem gosta de ouvir delfins, norah jones e joe dassin, aconselho 2 alternativas: atirem-se da boca do inferno ou então para debaixo de um camião tir no ic19. não usem facas pois causa muita sujidade. na boca do inferno o mar leva e na estrada, olha, mais um gato morto!!
publicado por товарищ V. E. às 07:52
link do Manifesto | Debater | Assistir ao debate (6) | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|
Sábado, 14 de Fevereiro de 2004

Dia dos Namorados

Venho aqui compartilhar convosca mais um profundo e filosófico pensamento. desta vez queria debruçar-me sobre a poética inerente ao dia dos namorados. que beleza. fui sair com a minha cara metade, e Oh! qual o meu espanto, tudo cheio de gente apaixonada, feliz: os cafés, os bares, os parques, os w.c.´s, até mesmo na esquadra da psp (presumo que a paixão aí era outra). que dia tão bonito. penso até que deveriam entregar o prémio nobel da paz ao são valentim porque realmente o bacano é um génio. aposto que até o arafat e o sharon foram sair com as marias deles, para um pézinho de dança! e mesmo aqui no mundo dos blogs, artigos tão apixonados, cheios de carinho, ternura, tesão, falta de sexo. oh, que linda é a primavera. mas...imaginem que eu tinha realmente fome? e que queria entrar num ristórante para comer? ai a merda...tava cheio de casalinhos a comemorar um puta de uma data que, se alguém tem motivos para a comemorar, são os capitalistas. a conclusão é mesmo de que as pessoas gostam de ser exploradas. mas não faz mal, que sa foda. também, assim como assim, há malta tão burra por aí, só não pensei que fossem tantos. afinal a burrice não é como aqueles detergentes mágicos, vem mesmo em grandes pacotes - banda larga? - e em doses maciças. até qualquer dia vou colocar aí nos nossos links um lista dos 10 sites mais pseudo-intelectuais mas realmente desprovidos de qualquer texto resultante de esforço cerebral. coisa que no universo bloguístico não abunda, pelos vistos.
MAS AINDA APANHEI O COMBOIO!!

Adenda - Que dia mais apaneleirado caralho. fodasse. fui sair com a minha gaja - qual namorada qual quê - e só via casalinhos da moda, mãos dadas, prendas, flores - que belo dia economicamente para a comunidade monhé - fodasse, vão apanhar no cú! atão para é preciso marcar 1 dia para ser dia do namorado? nos outros dias vão para as boites e para as casas de alterne saltar à espinha das brasileiras, mas hoje...all you need is love. pois, hoje vão com as namoradas para os bares, por isso aquilo tava tudo calminho, durante os outros dias vão sem elas saberem, para andar ao engate e à porrada. isto o que era preciso era partir isto tudo!! morte ao fascismo!! viva a democracia!!
e também gostei muito da nova edição da revista caras, tá muito chique, muito à maneira!
publicado por товарищ V. E. às 19:07
link do Manifesto | Debater | Assistir ao debate (13) | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|
Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2004

Erudição

Como prometido eu daqui vos envio a vós daí mais um pouco de erudição. desta vez será de forma escrita, poesia, mais propriamente falando. mas, filosofando um pouco, o que é poesia? não será também poesia aquilo que todos nós fazemos no nosso dia a dia? não será a própria existência humana uma grande poesia épica? o que é a poesia de cesário verde senão a existência humana? e a poesia de fernando pessoa? e o que é um kosovar a trabalhar nas obras do ic19 senão a transposição dessa poesia para um plano previamente aquecido e moldado, com a aplicação de um tratamento especial, tendo em vista suportar a consubstanciação da palavra? assim, a passagem de qualquer texto para a realidade apenas pressupõe esse prévio tratamento do plano que designamos por realidade. deste modo se explica porque consegue o bloco de esquerda ser tão boçal: é uma transposição de um qualquer péssimo livro do trostsky, com citações de chomski e walt disney (vide o os últimos volumes do "Rato Mickey" e da "Vóvó Donalda vs. Batman"). e daqui também se explica que alguém eventualmente perca tempo a ler esta bosta escrita mesmo para testar se alguém chega até esta linha: será que toda a merda antes aqui vomitada não foi o suficiente para vos afugentar ou gostaram e até estavam ansiosamente esperando por mais? o vosso problema é que não têm mais nada para fazer - e eu também não visto que tou a escrever isto (ao menos não tou a escrever sobre mim, o que gostava que voces acreditassem que eu gosto, faço bebo e tal. se calhar isso fica para outra ocasião mais etilizada). acho que o sentimento de ennui e a atitude blasé se apoderaram de uma imensa massa da nossa sociedade de forma irreversível. queixam-se que o país não presta e nada fazem para o mudar. não querem pagar propinas, mas gostam de faltar às aulas (eu também gosto!) quando há aí malta que vai para o hospital e tem de pagar cacete. quer dizer, por partir uma perna paga-se, mas a formação para se ser médico de um hospital do estado é paga pelo estado e pelos impostos de quem parte a perna? eu também pago propinas e também sou contra. também sou a favor disso tudo, não às propinas, sim às faltas e tal, mas amigos, ao menos não estejam sempre a falar mal do país: não se pode ter tudo.
e por falar em ter tudo, havia-vos prometido erudição. depois deste magnífico corpo textual filo-socio-antro-sexo-maxi-macro-anti-lógico com o qual acabo de contemplar a vossa contemplativa mente, querem ainda mais? então cá vai. mais erudição nem na antena 2!
And now, for something completely different.
publicado por товарищ V. E. às 18:13
link do Manifesto | Debater | Adicionar ao Livrinho Vermelho
|

товарищи

Lenin

Manifestos recentes

Abençoados

10 de Junho

Year Zero

Descoberta fantástica!

Fruta

A luta continua!

Após uma tragédia no meu ...

O Natal

Eu

Aquecimento global

God-Zilla

Materialismo dialéctico

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Março 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Julho 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Carlos

pesquisar

 
Marxismo

Ligações obscuras

eXTReMe Tracker

subscrever feeds